De acordo com os dados acabados de publicar pelo Instituto Nacional de Estatística e de Estudos Económicos (Insee), a idade média das mães rondou em 2008 os 30 anos. Segundo comenta Anne Pla, do Insee, esta é uma tendência geral em toda a Europa com excepção dos países de Leste mais recentemente incorporados na União. Os bebés com mãe de mais de 35 anos passaram a representar 21,5%, face aos 16,5% de há uma dezena de anos.

Enquanto as uniões livres continuam a ganhar terreno ao matrimónio, o "pacto civil de solidariedade" (PACS), criado em 1999, aumentou os seus adeptos desde que em 2005 o seu regime fiscal foi igualado ao dos casados . Com um total de 140.000 PACS em 2008 face aos 273.000 casamentos, a cifra de um PACS por cada dois casamentos representa um avanço sensível da figura jurídica que em 2003 se situava ainda na proporção de um para nove.

Ao contrário do que poderia pensar-se, uma imensa maioria destes PACS -94%- vincula pessoas de sexo diferente.

Envelhecimento da população

Com 64,3 milhões de habitantes, a França é o segundo país europeu em população a seguir à Alemanha (82,1 milhões). Apesar dos novos dados sobre fecundidade, a França continua a ser uma sociedade que envelhece. O número de pessoas com 75 anos ou mais aumentou na última década em mais de 35%, isto é, a uma velocidade quase cinco vezes superior à do total da população. Pelo contrário, a proporção dos que têm 20 anos mantém-se praticamente estável à volta dos25%.

Também a esperança de vida, que atinge os 84,3 anos para as mulheres e os 77,5 para os homens. As francesas continuam, assim, nos primeiros lugares da longevidade europeia.

A "geração sanduiche"

A propósito dos dados que o Instituto Nacional de Estatística inglês publicou há pouco tempo sobre o envelhecimento da população, alguns analistas alertam para o aparecimento de uma "geração sanduiche": homens e mulheres de meia idade sobre os quais recai a responsabilidade de cuidar dos filhos, e talvez dos netos, ao mesmo tempo que têm de ocupar-se de pais anciãos.

De acordo com números oficiais, na Inglaterra cerca de uma pessoa em cada quatro terá alcançado a idade de 65 anos em menos de 25 anos, enquanto os maiores de 85 anos poderiam duplicar o número actual e ultrapassar os três milhões. O dilema que se coloca a muitos será, pois, o de atender os mais idosos ao mesmo tempo que para eles próprios está a chegar o tempo da reforma.

Segundo Karen Dunnel, directora do Instituto de Estatística, a conjugação do envelhecimento da população com formas cada vez mais frequentes na vida actual supõe alguns problemas anexos: "O crescente número de pessoas idosas sozinhas e a ruptura das famílias por causa do divórcio poderiam reduzir as fontes não estatais de assistência", disse .. As projecções que se desprendem destes dados apontam para uma maior procura de cuidados sociais e sanitários, modificações no desenho da habitação e políticas de transporte que reconheçam as necessidades das pessoas mais velhas.

Aceprensa